Projeto “África em Nós” e a implementação da Lei 10.639/2003 nas instituições de ensino

Thayná Alves
Tainara Cardoso

 

Três fatores fazem com que jovens negros periféricos representem e traduzam o perfil da população com maior número de evasão escolar. São eles: violência, trabalho infantil e um ensino que não contempla a cultura e a identidade dos estudantes negros. Um adolescente negro tem 3,7 vezes mais chances de ser assassinado, se comparado a um adolescente branco, segundo estudos realizados pelo IPEA, em 2013. Neste mesmo ano, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) constatou que, do total de crianças e adolescentes no Brasil envolvidas em trabalhos domésticos, 93% são meninas negras.

 

Não por acaso, tais estudos refletem uma cruel realidade, após dez anos de aprovação da Lei 10.639/03, que discorre sobre a obrigatoriedade do ensino e a valorização da história e da cultura afro-brasileira nas unidades escolares.

 

Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras. (BRASIL. Lei 10.639 de 9 de Janeiro de 2003)

 

Há  de se observar que, apesar das políticas públicas, há um movimento estrutural, dominante e determinante, para que a população negra seja destaque na evasão escolar: o racismo. Sistemático e engendrado na construção social brasileira, o racismo ainda mata (além de no sentido literal da palavra) a potencialidade de jovens e crianças que continuam tendo seus direitos cerceados quando, predominantemente, fazem parte da mão de obra barata e das estatísticas de morte.

 

Por isso, pensando na emergência de se falar sobre o tema nas unidades escolares ― sobretudo para este público em específico, que contrariando as estatísticas permanece em exercício escolar ― em setembro de 2015 foi criada a organização “África em Nós”. Formada por sete jovens negros, moradores da cidade de São Gonçalo, região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro, o grupo multidisciplinar é formado por uma jornalista e por estudantes universitários de Economia, Arquitetura e Urbanismo, Psicologia e Serviço Social, além de estudantes secundaristas.

 

Entendendo que negligenciar a história do povo negro é também negligenciar a sua própria existência, a organização nasce da urgência de garantir a implementação da Lei 10.639/03, e o debate e os desdobramentos pertinentes/incutidos ao tema, fomentando, na comunidade escolar ― sobretudo nas crianças e jovens negros com faixa etária a partir de 10 anos de idade ― a busca pela ressignificação de suas próprias histórias. Não mais sob a perspectiva do colonizador e, sim, sob o prisma do protagonismo, partindo do pressuposto de que o resgate histórico, como afirma a psicanalista negra Neusa Santos (1983), é peça fundamental na afirmação identitária.

 

foto-4

Alunas participantes da oficina de turbante

 

Saber-se negra é viver a experiência de ter sido massacrada em sua identidade, confundida em suas perspectivas, submetida a exigências, compelida a expectativas alienadas. Mas é, também, e sobretudo, a experiência de comprometer-se a resgatar sua própria história e recriar-se em suas potencialidades (SANTOS, Neusa Santos. 1983. págs 17-18).

 

Assim ― acreditando na potencialidade da juventude negra e periférica e em uma educação anti-racista, horizontal, e que abarque a diversidade  que abrange do ambiente escolar ―, o “África em Nós” visa promover, nas instituições de ensino público e privado, um clima de cooperação que vai além da instituição, envolvendo pais de alunos e comunidade, e possibilitando trocas de saberes entre as turmas, os funcionários, os professores e os gestores. Entendendo o racismo como um sistema e a escola como sendo mais um espaço aonde o mesmo opera.

 

 

foto-2foto-3

Apresentação do grupo de capoeira e Ensaio fotográfico – Tema: Beleza nega

 

Eu disse que precisava de um casal de alunos negros para uma apresentação durante a semana da Consciência Negra.   Em uma  escola com uma quantidade absurda de negros, apenas um aluno se apresentou e ainda assim, esse quase voltou atrás.

 

Este relato pertence à diretora de uma escola estadual, onde o projeto atuou, localizada no município de São Gonçalo. A fala demonstra indignação e ganhou espaço após a tentativa de elaborar uma atividade, junto a outros profissionais, no mês de novembro, durante a semana da Consciência Negra. A atividade aconteceu, porém, com um número ínfimo de alunos participantes negros. Após esse episódio, a instituição nos comunicou sobre as dificuldades que estavam encontrando ao trabalhar temáticas envolvendo o racismo. Um dos principais fatores para essas impossibilidades é a ausência de identificação com o tema abordado, é o não reconhecer-se e ver-se implicado nesses assuntos. Através desse e de outros relatos semelhantes realizados por alunos, profissionais ou familiares, é que se torna possível a atuação do projeto nas escolas, pois é imprescindível conhecer a história e o perfil de cada instituição e, a partir desses pontos, debruçar-se sobre as demandas trazidas.

 

Metodologia
A metodologia é simples e objetiva, a fim de que os alunos tenham protagonismo nas falas e possam partilhar experiências e trocar saberes. É realizada a exibição de slides trazendo à tona cenas do cotidiano com temas referentes à estética, invisibilidade, representatividade, e empoderamento negro e violência.

 

Ao fim da apresentação, os estudantes são estimulados, por meio de rodas de conversa, leitura ou dinâmicas, a debater sobre temas como políticas de ações afirmativas, genocídio da população negra [1], reconhecimento enquanto negro e representatividade, dentre outros pontos referentes ao racismo, por meio de uma metodologia participativa,  além de intervenções e oficinas culturais composta pelo que chamamos de rede de articulação.

 

A rede é formada por colaboradores que contribuem com oficinas de práticas utilizando atividades de valorização da cultura negra. Dentre a gama de agentes envolvidos, há propostas como: oficinas de turbante, dialogando sobre a história do turbante dentro da cultura negra; pinturas corporais africanas; hip-hop; trança; ensaio fotográfico com cada comunidade escolar e posterior exposição; batalha do passinho e rap; capoeira; poesia, dentre outras atividades que se aproximam da realidade e do dia a dia dos alunos de cada localidade em específico. A grande proposta da rede é criar vínculos vincular, visibilizando as potencialidades e produções desses atores negros, priorizando os alunos, e tornando-os integrante da rede e, consequentemente, do projeto “África em Nós”.

 

Notas:
[1] Assassinato de uma população específica baseada eliminação da cor da pele. No caso, a população negra brasileira, sobretudo jovens do sexo masculino são os principais alvos da lógica genocida.

 

Referências Biliográficas
Boletim de Análise Político-Institucional – Participação, Democracia e Racismo?. Daniel Cerqueira. IPEA, 2013. Disponível em < http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/boletim_analise_politico/131017_bapi4 _daniel_racismo.pdf >. Acesso em 15 de Agosto de 2016.
BRASIL. Lei 10.639 de 9 de Janeiro de 2003. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm > . Acesso em 10 de agosto de 2016
O enfrentamento da exclusão escolar no Brasil. Brasília, DF: UNICEF, Campanha Nacional pelo Direito à Educação, 2014. Disponível em < http://www.unicef.org/brazil/pt/br_enfrentamento_exclusao_escolar.pdf > . Acesso em 18 de Agosto de 2016.
SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se Negro: As vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edição Graal. 1983

 

Thayná Alves da Silva Valente – Mulher, 24 anos. Graduada em Comunicação Social (Jornalismo) pela Universidade Veiga de Almeida (UVA) e pós graduanda na Especialização em Jornalismo Cultural na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Coordenadora do projeto África em Nós e pesquisadora da estética negra como construção e afirmação da identidade .
Tainara Cardoso – Mulher, periférica, gonçalense, 23 anos. Graduanda em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Dona da empresa Feltro Pela Tai, coordenadora do projeto África em Nós e pesquisadora dos impactos do racismo na construção da subjetividade negra.

Entre em contato!

Tem algumas dúvida? Gostaria de entrar em contato conosco? Deixe aqui sua mensagem!

Enviando

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

Rua Marquês de São Vicente, 225, Gávea - Rio de Janeiro, RJ - Brasil

Cep: 22451-900 - Cx. Postal: 38097 | Telefone: (55 21) 3527-1001

PUC-RIO © 1992 - 2018. Todos os direitos reservados

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?